Pesquisar

Vice assume Patriota e afasta Bolsonaro do partido

O presidente Jair Bolsonaro (ao centro) recebeu convite oficial de Adilson Barroso (à dir.) para se filiar ao Patriotas em 7 de junho
 O presidente Jair Bolsonaro (ao centro) recebeu convite oficial de Adilson Barroso (à dir.) para se filiar ao Patriotas em 7 de junho


A possibilidade de filiação do presidente Jair Bolsonaro ao Patriota para disputar as eleições de 2022 está mais remota. A sigla está agora sob o comando de Ovasco Resende, antes vice-presidente da sigla. Ele assumiu o cargo depois de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) validar, na 4ª feira (7.jul), a convenção nacional do Patriota que decidiu pelo afastamento de Adilson Barroso.

Pela decisão da Justiça, Resende presidirá o partido por 90 dias, de forma interina e contada a partir de 7 de julho. Enquanto isso, Barroso segue afastado e o conselho de ética do partido analisará as decisões dele como presidente para viabilizar a filiação de Bolsonaro. Para abrigar Bolsonaro, Barroso chegou a articular mudanças no estatuto nacional do partido, o que desagradou parte da sigla.

Barroso era o principal defensor e articulador da filiação de Bolsonaro e de seus aliados. Mas, o partido estava dividido desde que o senador Flávio Bolsonaro (RJ) passou a integrar a sigla, em maio.

Em 24 de junho, a maioria do partido votou em convenção para afastar Barroso do comando do Patriota sob acusação de manobras irregulares para receber Bolsonaro no partido. A validade da convenção foi questionada por Barroso na Justiça. O caso precisou ser analisado pelo TSE. A decisão de confirmar a validade da convenção foi assinada pelo ministro Edson Fachin. Eis a íntegra (121 KB) da decisão.

Resende é parte dos integrantes da sigla que são contrários a ceder espaço no partido em prol dos aliados de Bolsonaro. Em nota, o novo comandante do partido afirmou que “daqui para frente, a condução do partido será, como sempre deveria ter sido, decisão da maioria legítima”.

Ele informou que o partido irá conduzir o “devido processo ético-disciplinar para apurar as arbitrariedades praticadas por ele [Adilson Barroso] à frente da Presidência Nacional, com garantia do contraditório e da ampla defesa”.

Eis a íntegra da nota:

Verificamos que foi decidido pela justiça comum (TJDFT), e referendado pela justiça eleitoral (TSE), que as reivindicações e decisões da maioria legítima do Diretório Nacional e da Comissão Executiva Nacional deveriam prevalecer.

Sendo assim, eu, Ovasco Resende, fui legitimado Presidente Nacional em exercício do PATRIOTA, e deixo claro que a mesma conduta que nos trouxe até aqui, será honrada: dar voz às decisões da maioria da Direção Nacional.

Da mesma forma, com o afastamento de Adilson Barroso, a maioria legítima da Direção Nacional, por mim representada irá conduzir o devido processo ético-disciplinar para apurar as arbitrariedades praticadas por ele à frente da Presidência Nacional, com garantia do contraditório e da ampla defesa.

E daqui para frente, a condução do partido será, como sempre deveria ter sido, decisão da maioria legítima.

Ovasco Resende

PATRIOTA Presidente Nacional em Exercício


Poder 360


Postar um comentário

0 Comentários